<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d14068495\x26blogName\x3dPa%C3%ADs+Barros%C3%A3o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://barrosao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://barrosao.blogspot.com/\x26vt\x3d1500458917007490922', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, agosto 07, 2005

O Gato e o Cabrito


Ora um certo dia o nosso amigo "Gato "resolveu ir à grandiosa romaria da aldeia de Penedones.
E como era costume antiguamente festa que nao tive-se um bom "barulho" ( uma boa algazarra com bastonada de criar bicho) nao era festa.
Como è evidente aquele ano tocou ao "Gato "organizar a dita algazarra ,como sempre metendo fêmea pelo meio.
Para fraca sorte do "Mestre" o seu rival era filho da aldeia e como vocês devem imaginar quem joga fora tem sempre menos possibilidades que o de casa dado a que os santos da casa apesar de nunca fazerem milagres sempre ajudam alguma coisa nao è?

Ora bem o" Gato "como era artista à falsa fè manda duas bofetadas ao outro e àla vamos embora que è tarde.
Dà à sola sem esperar resposta nao fosse o outro convidà-lo para ir a casa dele comer um bocado de cabra e beber dois copos.

Bem para quem conhece Penedones sabe que à saida do povo em direcçao à " agredadona" hà para ali umas cortes de gado.
Pois ali precisamente foi onde o nosso amigo buscou refugio para se esconder jà que os outros iam em cima dele como caes e como ele tinha a perna curta podia ser alcançado em poucos metros por algum perna-alta de Penedones.

Passados os perseguidores o" Gato" resolveu reeniciar a fuga atè à "Corga" mas...
Qual è o seu espanto quando ouve berrar um cabrito dentro de uma corte.
e...
Diz ele:
"-H'òmigo està'saì ???"
Abre a porta muito sorrateiro mete o primeiro cabrito que apanha debaixo do braço e:
dali à" Corga" nao foi manco .
Ora quando o dono do animal deu pela falta de cabeça de rês jà là iam dois dias .
Posto a pensar disse:
"-Hà caralho ¡¡¡ eu p'ròmonte n'um'obotei à corte n'umbem ninguem a n'umsereu isto aqui hà GATO".
È claro depois de pensar a situaçao e repensà-la deu com a "marosca".
"-Foi o filha da puta do Gato q'ueme fudeu o cabrito".
Disse.
Bem là vai o homem ter com o "Regedor" e explica-lhe o caso.
E por sua vez este dà parte à G.N.R de Montalegre .
Bem ...
Um certo dia là bate a guarda em casa ao "Gato "para fazer a pertinente revista à mesma.
O individuo ao cheirar-lhe a Grande Ninhada de Ratos que faz???
espeta com um molho de "giestas" verdes no lume (lareira) .
Aquilo era uma fumaceira que parecia que andavam a arder os "Cornos das aAlturas".
Em seguida pega no cabrito e espeta com ele num berço de criança que tinha là atràs do lar .
Tapa-o com umas mantas e começa a embalar o bicho como se fosse um bebè.

"-Hò da casa ???"
Chamou o Sr. Sargento chegado à porta .
E o "Gato" nada...
"-Hòòò daaa casaaa???"
Repetiu o individuo com voz autoritària.
E por fim depois de o sargento chamar uma quantidade de vezes là do meio daquela fumaceira toda alguèm responde baixinho:
"-Shhhhtttt ..."
"-Quem caralho è a estas horas ??? bocês n'umbêm q'uestou à'dormecer a criança???
"-H'òmigo desculpe mas somos a força da autoridade e bimos tratar d'um'aòcorrência c'osenhor"
Diz o guarda.
"-E atao que se passa???"
Perguntou o "Gato" fazendo-se muito admirado.
"-È que là p'ra Penèdones trasonte-onte desaparceu um animal d'um'acorte e o dono qeixa-se de si e claro a ocurrência txigou-nos ò posto e nòs bimos p'ra rebistar a casa e fazer a debida detençao se fôr presiso."
Explicou a autoridade.
"-Hò filhas da puta esses de penedones sao o diabo n'um podem ber um pobre c'oa camisa labada atao agora falta algum'a cousa e sou logo eu???"
Alegou o "Mestre Gato".
"_Bossês rebistem p'ràì o que quijerem mas p'loamor de Deus nosso Senhor n'um-me façam barulho q'uestou àdormecer a criança e s' acorda depois è aqui o diado in casa c'amae foi c'asbacas e eu num lhe posso dar de mamar como bossês sabem:"

Bem e là começam os guardas a revistar a casa ao "Gato" com muito cuidado para nao fazer rùido enquanto este embalava o suposto filho e dizia:
"-Òòòòò...òòò meu meninho quem m'edera cà a tua mae."
"-Òòòò...òòò meu meniho quem me dera cà a tua mae."

Com a casa virada de patas ao ar e sem encontrar nada dado a que o animal ao encontrar-se quentinho , bem embalado ,e confortàvel nao berrou foram os guardas com o rabo entre as pernas embora sem encontrar nada.

O que eles se esqueceram foi de destapar a criança para constatar se era bonita ou feia.
E que quando o "Gato" dizia:
Hò meu menino quem me dera cà a tua mae o queria na realidade era tambem ter a cabra em sua posse para que dia da festa a "chanfaina" fosse mais volumosa e pudesse comer mais à fartazana com os seus amigos e vizinhos.

Boas Noutes

terça-feira, agosto 02, 2005

Hà oui ça và???








È pena que sò me tenha lembrado a esta altura do calendàrio de recordar-vos que estamos na època do ano de pronunciar o nosso dialecto de Verao ou pelo menos de tentar entende-lo.
È verdade meus amigos .
Eu tenho pensado atè em criar um dicionàro para que os nossos conterrâneos se possam entender com certa gente mas o problema è que cada ano me aparece vocabulàrio novo e eu nao apanho a passada.
Sim senhor... este dialecto de que vos falo è muito rico gramaticalmente e progride muito ràpidamente apesar de ter sò uns 45/50 anos aproximadamente.
E vocês perguntam: de que de que raio de dialecto estàs tu a falar anairam?
Hò meus senhores concerteza que vos falo do francolês.
Nao conhecem???
Pois calaro que sim ....
Quem nao tem na familia um membro ou mais que nao fale este idioma???
Quem nunca um dia se cruzou com um individuo que ao comprimentar-nos nos disse:
"- Olà fulano¡¡¡ ça va???"
E um gajo pensa :o meu nome eu entendo ...mas... que caralho serà "ça va???"
E claro se um homem for mau pensador vai pensar que o gajo està a falar em còdigo e "ça va" ao contràrio è vaca.
Sendo o macho da vaca o boi, um gajo è obrigado a pensar logo:
Este filho da puta està a chamar-me corno.¡¡¡
E tràz... logo um murro nos cornos e consequentemente problemas claro.
Ou por exemplo:
Um gajo destes entra em nossa casa e um individuo oferece-lhe de comer e beber .
Imaginem que o gajo nao lhe apetece e diz "no merci ".
E um gajo pensa que o individuo nos fez alguma pelas costas jà que entende : nao mereci.
Mas nao mereceste o quê???
Armamos logo uma confusao do caralho.
Assim que como quando o gajo diz "ça va pà" a meio da refeiçao.
Sabe-te à palha???
Olha o animal diz que o estufado que faz a minha Maria sabe-lhe à pallha.
Pronto ... leva logo com a caneca do maduro nas trombas nao è???
Ou:
Vê um filho nosso e pergunta "ai que jolie¡¡¡ parace-se ao pai¡¡¡ coment s'apele???"
Olha... este gajo està a chamar-me javali.???
E diz que o puto se come sem pele.
Tù queres ver que o burro agora è canibal???
Ou quando dizem por exemplo:
"- O meu patron è um bocado forreta hà 3 anos que ganho o mesmo nunca me monta.
"Pelo contràrio o da minha mulher c'est um'a boa persone sò este ano jà a montou duas vezes e ainda lhe dà gorjeta."
E claro um gajo è obrigado a pensar que o individuo è corno manso e ainda por cima gosta de homens.
Ou:
"-Hò pà o meu carro è uma màquina ¡¡¡¡¡ "
"-Olha assim que prendi a auto route montei-o logo a 150."
E claro um gajo pensa que o homem deve ser policia là na França e que prendeu um tarado sexual por ter montado 150 gajas
mas....
Onde è que entra o carro nesta història???
Quando por exemplo um gajo està no cafè e ouve:
"-Posso ter um cafè???"
"-mas com açucre do regime"
Que chique o gajo quer ter um bar sò para ele mas com açucar do regime isso eu nunca chegeuei a entender o que è.
Ou:
Quando pedem um "biftèc avec des frites" cada vez que se sentam num restaurante para comer.
Claro que como passam todo o ano a comer a "cascute" que defenido por eles è uma "baguette com jambon" è claro que têm que variar porque a "cascute" por muito boa que seja ao fim de 3 ou 4 anos começa a enjôar... penso eu.
E por ai adiante coisas que um gajo nunca consegue entender como:
A casa con janelas para dentro e" fenetres" por fora¡¡¡¡
Alô ¡¡¡
Ça fais rien¡¡¡
A viage "cest très fatiguè"¡¡¡¡
Bota-me ai um pastis¡¡¡
Hô là là¡¡¡
Conbien quanto custa???
Le feu rouge¡¡¡
Tê toi¡¡¡
E muito mais que nao me recordo agora.
Pois sim meus amigos muito boas fèrias e um belo Verao para todos.
E jà agora muito cuidado com estes animais na estrada porque eles em "la France" andam todo o ano em "mètrô" e "RR" e para eles conduzir nas fèrias è como praticar um desporto radical .
Assim que apartem-se todos que passam os "avèc's" que parece que foram todos paridos pelo "Alain Prost".

Boas Noutes
e muito cuidado.........




segunda-feira, agosto 01, 2005

O ciclista




Ora bem,... o amigo Zè da Pica apesar de ter estado muito pouco tempo em França nao deixou ao acaso o progresso da descoberta da roda e quando regressou a Portugal resolver trazer com ele a mulher,um filho relativamente pequeno e como nao podia deixar de ser o seu veiculo.
Uma bela e veloz bicicleta de pedal .
Bem como naqueles tempos na "corga" as vias nao eram as mais adequadas para circular com tal aparato dado ao estado do alcatrao derretido na via e ao tráfego bovino,ovino,e caprino o homem resolveu pendurar o artilùgio no sobrado e esperar que modificassesm as vias e pusessem regras de trânsito no povo, jà que ele tinha aprendido as mesmas em "la France" mas claro por muito que quise-se explicà-las é evidente que os atrasados da aldeia nao iam percerber o francolês que falava o Pica.
È verdade o homem a falar tal idioma parecia uma vaca Espanhola a tentar cantar em Tirolês.
Bem o caso è que a reliquia do Pica foi passando de ano em ano pendurada no sobrado.
E de instrumento rodante passou a ser uma peça de mobiliàrio ,com a ferrugem começou a confundir-se com o tecto de modo que para descobrir aquele traste teve que crescer o Pica pequeno (Zè Luis) .
Um certo dia ai pelos seus 15 anitos o rapazola no meio de ferrugem e teias de aranha descortinou a còxinel .
Ora bem o rapaz ficou em pulgas como è evidente .
Um meio de transporte era o demais.
Era como ter um Mercedes nos nossos tempos.
E agora que o rapaz lhe começava a cheirar a mijo porque jà tinha um fraquinho pela Maria do Couto, e outro pela do Manilha, e outros por outras porque ele realmente o que queria era meter em quente.
Coisa que sò aconteceu passados largos anos.
Bem o rapaz foi ter com o pai e resolveu pedir-lhe a peça de museu da sua odisseia em França.
-"Hò pai bossê pudia-me dar a bicicolete q'uetem no sobrado "
-"T'ùestàs tolo repaz n'umbês q'uetematas"
-"Hò andelà n'umato nada s'ma der bou c'as bacas p'ra balcobo q'andobossê quijer.

-"Està bem mas olha là n'umbàs p'ràestrada c'ùela oubiste?"
"-Oubi pai ."
Respondeu o Zè Luis muito entusiasmado ao pensar que domingo jà ia de "bicicolete" dar a volta ao povo.
O individuo com a ajuda do pai là desceu o artigo da trave do sobrado e ao serao resolveu dar-lhe um jeito.
Lixou o artefacto bem lixado e com o zarcao que sobrou de pintar a porta do pàtio deu uma pintadela à sua bichinha.
Aquilo ficou uma maravilha parecia a bicicleta do Joaquim Agostinho a ùica diferença era o volante aberto (tipo cornos de boi Barroso) e a grade que levava atràz que mais parecia um grelhador de assar sardinhas.
Mas tinha sido com aquela grade que o pica se desenrascara em "la France" pois era onde transportava a "cascute" para o trabalho , e era o que usava para ir ao "marchè" aos domingos pela manha e trazer as compras para toda a semana que lhe encomendava a mulher enquanto ficava a fazer a comida.
Bem chegado domingo o Zè Luis pega na bichinha e bota por ali abaixo atè a loja do Penedo .
Ora ao chagar como vinha de cima do poço de ourelho nao pode fazer a curva à Lance Armstrong.
Claro que a exibiçao ficou um bocado curta e como estavam por ali as raparigas ele queria dar nas vistas jà que era o unico possuidor de tal joia no povo.
Resolveu entao ir rigueiro adiante e lançar-se desde o arrabaldo para que as fêmeas vissem o habilidoso que era o rapaz no manejo de tal artilugio.
E là se embala o artista .
Ora chegado ao meio do rigueiro e jà numa velocidade considerante de que se lembra o artista?
Pois se fazer um cavalinho para impressionar ainda mais o gado .
CATRAPUM....... mà sorte.
O artista de chapa percebia mas de mecânica nao via a ponta de um corno .
Assim que ao nao verificar o estado da còxinel na parte da mecânica nao deu conta que a roda da frente nao estava bem apertadada.
E claro ao levantar a roda dianteira da bicicleta esta saiu e e como consequência o rapaz deu um tombo que o deixou com o focinho metido no rêgo da àgua isto depois de ter beijado pelo menos 32 paralelos da calçada.
Aquilo parecia que lhe tinha passado um camiao por cima .
Todo esmoucado là se levantou, pegou na sua bichinha debaixo do braço e foi para casa.
O pior foi ao chegar porque claro apesar de ter destroçado o fato da primeira comunhao o qual era a sua vestimenta dos domingos desde que a tinha feito teve de ir o verao todo com a vacas para balcobo .
Ainda por cima levou umas bofetadas da velha por ter fodido o fato e como se nao fosse pouco teve que pendurar o veiculo o qual penso que ainda hoje permanece colgando na trave do sobrado.
E assim teve que ir andando atè ao couto o Zè da pica todos os domingos atè que tirou a carta de conduçao e o pai lhe comprou um R5 mas essa è outra història.

Boas Noutes